Prefeitura de Osasco realizou processo seletivo para contratação de professores na rede municipal de ensino

Na quarta-feira, 8/2, o prefeito de Osasco, Rogério Lins, reuniu-se com a imprensa da região e fez um balanço do início de sua gestão. Durante o evento realizado na Sala Osasco, Lins discorreu sobre a pasta da Educação, bem como explicou que as aulas na rede municipal de ensino foram retomadas no dia 6 de fevereiro, com atendimento de 96% das escolas, dos 66 mil alunos matriculados. Isso aconteceu porque a gestão anterior suspendeu no final do ano passado, o processo seletivo gerando um déficit de 1.726 professores na rede.

Para sanar o problema, a Prefeitura adotou medidas emergenciais, como pagamento de horas extras para professores que dobram a carga de trabalho e deslocamento de coordenadores e vice-diretores para salas de aula. Além disso, promoveu um processo seletivo, cuja prova foi realizada no domingo, 5/2.

A secretária de Educação, Ana Paula Rossi, explicou que o formato da seletiva para contratação de novos professores, ocorreu por meio de prova, devido às orientações do Ministério Público: “A Secretaria foi notificada pelo promotor Gustavo Albano que deveríamos reformular o processo de contratação dos profissionais e contrataremos uma empresa que seria responsável pela elaboração e aplicação da prova aos docentes e a RBO Assessoria Pública e Projetos Municipais foi a empresa que atendeu todas as exigências”, completa.

Segundo informações da RBO o processo seletivo teve 7.674 professores inscritos, entre eles, 8.050 professores na categoria PEB (professor de educação básica), mas compareceram 4.178. Já os professores de PDI (professor de educação infantil), contou com 6.845, desses; 3.496 realizaram a prova, ou seja, uma taxa de abstenção de 51,9% no dia da seletiva.

O gabarito está disponível no site – www.rboconcursos.com.br – e as notas devem ser divulgadas até o final desta semana, na sequência a Prefeitura iniciará a convocação dos aprovados.

O prefeito da cidade enfatizou que não medirá esforços afim de que a educação municipal seja cada vez melhor, contribuindo desta forma para que os números do IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) aumentem. “Nosso trabalho será de renovação na educação, pois investiremos na formação continuada, discutiremos a evolução e aprovação do Plano de Carreira, a equiparação salarial, não somente dos professores, mas também da equipe de apoio à Educação; e o mais importante, que deixarei marcado: Osasco se livrará do título de cidade que paga o pior salário da região aos profissionais da Educação”, afirmou.

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *